Mais no Memória Viva
O Cruzeiro
 
Cruzeiro
 
Em novembro de 1928 nascia um mito da imprensa brasileira. Cruzeiro (ainda sem o artigo O) chegava aos leitores com grande estardalhaço. Em sua primeira edição, foi assim apresentada:

Depomos nas mãos do leitor a mais moderna revista brasileira. Nossas irmãs mais velhas nasceram por entre as demolições do Rio colonial, através de cujos escombros a civilisação traçou a recta da Avenida Rio Branco: uma recta entre o passado e o futuro. Cruzeiro encontra já, ao nascer, o arranha-céo, a radiotelephonia e o correio aéreo: o esboço de um mundo novo no Novo Mundo. Seu nome é o da constelação que, ha milhões incontaveis de annos, scintila, aparentemente immovel, no céo austral, e o da nova moeda em que resuscitará a circulação do ouro. Nome de luz e de opulencia , idealista e realistico, synonymo de Brasil na linguagem da poesia e dos symbolos. (...)

Porque é a mais nova, Cruzeiro é a mais moderna das revistas. É este o título que, entre todos, se empenhará por merecer e conservar: ser sempre a mais moderna num paiz que cada dia se renova, em que o dia de hontem já mal conhece o dia de amanhã; ser o espelho em que se reflectirá, em periodos semanaes, a civilisação ascensional do Brasil, em todas as suas manifestações; ser o commentario multiplo, instantaneo e fiel dessa viagem de uma nação para o seu grandioso porvir; ser o documento registrador, o vasto annuncio illustrado, o film de cada sete dias de um povo, eis o programma de Cruzeiro.

É pelo habito de modelar o barro que se chega a bem esculpir o marmore. Esta revista será mais perfeita, mais completa, mais moderna amanhã do que é hoje.

Flertava com as grandes cidades e as modernas tecnologias. No primeiro número, mostrava como seria o Rio de Janeiro do futuro (em 1950), falava sobre A côr de São Paulo e sobre A Éra das Forças Hydraulicas.

A evolução da moeda de ouro no Brasil, um desastre aéreo na Praia Vermelha, A caricatura no estrangeiro, contos de Malba Tahan (Moslim, o invejoso) e de Affonso Arinos (O contractador dos diamantes) eram outros destaques.

Algumas matérias e o texto integral de apresentação podem ser vistos no site O Cruzeiro on line.

 
Retorna à página da área NÚMERO 1
 

Título
Cruzeiro

Lançamento
Novembro de 1928

Número de páginas
64