Clique para retornar à página principal


Fevereiro de 2004

A cena muda... mas as antigas publicações continuam lá!

A cena muda não vende cartão telefônico. Nem revista nova. Lá você só encontra publicações antigas. A banca serve como um portal no tempo. Você entra e vai parar em algum lugar do passado, entre 1900 e 1980.

A responsável por isto é Adda Di Guimarães, uma goiana com 30 anos de Rio de Janeiro, que já passou pela Sociologia e pelo teatro, por Nova Iorque e Paris, foi estilista e vendeu batatas recheadas até que descobriu o que queria ser quando crescesse quando abriu o Alpharrabio, famoso sebo de Ipanema, em 1989.

O sebo fechou em 1996, mas Adda continuou negociando livros e revistas em casa. Em março de 2003, viu uma banca de revistas fechada e teve a idéia! Mas uma Lei Municipal diz que bancas não podem vender revistas antigas. Para lei antiga, decreto novo. Adda passou um e-mail ao prefeito César Maia e três dias depois lá estava o decreto. Agora, para cada região administrativa, pode existir uma banca que venda revistas com pelo menos 20 anos.

A cena muda foi aberta em 28 de outubro de 2003. Neste pouco tempo de existência já virou referência e conquistou os ratos-de-sebo cariocas. E também de todo país. A repercussão está sendo ótima, diz Adda, eu não me surpreendo porque trabalho com isso há muito tempo e conheço o interesse das pessoas.

O nome da banca não é uma homenagem à revista homônima. Eu gosto da palavra cena. Remete à imagem iconográfica. E muda (de mudar) mostra o decorrer do tempo, explica a proprietária.

Adda informa que dentre as publicações mais procuradas está O Cruzeiro, pela importância, porque abrange um grande período e por ser uma revista de variedades. Revistas dos anos 60 também têm muita procura. E ainda Cinelândia, Placar, Senhor, Intervalo, TV Guia, Carlos Zéfiro e álbuns de figurinhas dos anos 50.

Quadrinhos com Brotoeja e Tininha, a revista Grande Hotel e fotonovelas também figuram entre as mais requisitadas. Já passaram senhores por aqui, procurando a eles mesmos em fotonovelas para mostrar às esposas, conta Adda.

A banca é bem freqüentada e tem uma clientela variada. Quando da presença de nossa reportagem, o desenhista Daniel Azulay passou por lá procurando exemplares de O Cruzeiro do tempo em que ele trabalhou na revista.

N A Cena muda, além de revistas, podem ser encontrados cartões, postais, fotografias, santinhos e outros artigos. Adda não faz pesquisas, mas fica com o contato dos fregueses, anota seus interesses e avisa quando aparece algo.

SERVIÇO:
A cena muda – Banca de revistas de época (de 1900 até a década de 1970)
Endereço: Rua Visconde de Pirajá, em frente ao número 54, esquina com Rua Jangadeiros, em Ipanema
Aberta de segunda à sexta, das 10h às 19h. Aos sábados, de 10h às 15h.
Telefone: (21) 2287-8072
Site: www.acenamuda.com.br – E-mail: addadig@hotmail.com