Clique para retornar à página principal


Maio de 2004

Livraria Calil Antiquária
Sebo com acervo monumental é o mais antigo da capital paulista

São Paulo - É difícil chamar a Livraria Calil Antiquária de sebo, mas sua proprietária, Maristela Calil, gosta de lembrar que se trata do mais antigo sebo de São Paulo, em atividade há 54 anos. A dificuldade em chamar de sebo começa pelo local onde ela fica: no nono andar de um prédio na Rua Barão de Itapetininga, Centro antigo de São Paulo. Tem quase nada dos sebos comuns. A organização é o que chama mais atenção assim que se entra na Calil. Estantes extremamente bem organizadas como numa biblioteca das mais cuidadas. São aproximadamente 30 mil volumes em exposição. Pouco frente ao acervo completo, que ultrapassa os 250 mil. A título de comparação: a Biblioteca do Senado, em Brasília, tem 150 mil volumes.

Maristela herdou a livraria do pai, Líbano Calil, descendente de libaneses, nascido em Catiguá, interior de São Paulo. Bibliotecária e comerciante, deixa claro que livro não foi feito para ficar parado. A biblioteca particular do pai, já falecido, está à venda. Nela, há livros raros, únicos, que chegam a custar 10 mil dólares. Conta com 15 mil volumes e está avaliada em 2 milhões de dólares. Você tem esse dinheiro? Nem saia da frente do computador. Provavelmente a biblioteca já terá sido vendida quando você estiver lendo isso.

Como nasceu a Livraria Calil?
O meu pai, Líbano Calil, foi o fundador da livraria. Desde pequeno ele gostava de comprar livros. Ele trocava a mesada em várias prestações para comprar um livro usado. O chocolate, o cinema, o teatro ficavam empatados no livro. Ele foi adquirindo o gosto por isso desde cedo. Sempre procurando ler, escrevendo, pesquisando. Daí ele teve uma lesão ocular – até então ele ia ser médico – e partiu para a comercialização dos livros. Montou um sebinho e foi crescendo, crescendo. Isso, ao lado da Catedral da Sé. Depois montou mais um aqui nesse prédio, na galeria. Depois cansou e colocou tudo aqui, no nono andar, num espaço mais amplo e estamos aqui há mais de 40 anos. A Livraria já vai fazer 54 anos. Sempre trabalhando com livros usados, inicialmente na parte jurídica e depois se especializando em assuntos brasileiros. Eu comecei a trabalhar com meu pai em 1983. Eu me formei em Biblioteconomia. Às vezes dou uma ou outra palestra em relação ao comércio de livros usados. A Livraria tem um papel importante na parte de documentação, de preservação de acervos. Ela não está só preocupada em comprar e vender livros. Damos uma grande importância à preservação do livro. Temos muitos livros de 1500, 1600.

Qual é o principal público da Livraria? Quem vem até aqui?
Vou começar falando sobre a Internet, que é um campo que deu um bom resultado. Temos um site desde 1997, somos um dos pioneiros em relação a livros usados. Atendemos todo mundo em todos os lugares e de uma forma bem pessoal. Tem pessoa que pega um avião e vem pegar o livro aqui porque o atendimento foi agradável. Eu já tentei fazer um estudo de perfil do usuário da Internet mas desisti. Vendo livro de 5 mil dólares e livro de 5 reais pelo qual pedem desconto! E a gente atende a todos os clientes. Aqui na Livraria vem, geralmente, o colecionador, o bibliófilo. Aquela pessoa que quer comprar a primeira edição, a edição especial, o livro com autógrafo. Depois o pesquisador. As bibliotecas podem apresentar falhas no material. Estão roubando livros, né? O pesquisador, o professor, o leitor e aquela pessoa que quer começar a montar uma biblioteca. É bem diversificado.

A respeito dos recentes roubos de livros raros, você já desconfiou de alguém que quisesse lhe vender algo?
Não. Colegas nossos estão com processos eternos pois compraram livros roubados. Sem saber. Se o livro não tem boa procedência, eu não compro. Tentaram vender um livro de 5 mil dólares por mil e quinhentos reais... só pode ser roubado!

O que é mais procurado aqui na Calil?
História do Brasil. Biografias e tudo relacionado ao Brasil. Tem bibliotecas no Japão, na Inglaterra, nos Estados Unidos, só de assuntos brasileiros. Tem acervos enormes de 50, 100 mil volumes só sobre o Brasil. E a Livraria colabora com isso, fornecendo material.

É possível citar os autores mais procurados?
Literatura do final do século IXX e os Modernistas, além de edições autografadas. Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, as primeiras edições de Machado de Assis.

Uma primeira edição, uma dedicatória ou um autógrafo aumenta muito o valor de um livro?
Às vezes uma dedicatória passa a valer mais do que o próprio livro. Há uma gota de sangue em cada poema, primeiro livro de Mário de Andrade, vale mil e duzentos dólares. Autografado, pode custar dois mil dólares.

Como funciona a compra de um acervo?
Por ser uma livraria de qualidade, as pessoas a procuram para fazer a venda. Eu não discuto valores. A gente sempre chega a um acordo. Do último lote que comprei, fui a única livreira a visitar o acervo, por indicação de um cliente nosso. Fiz uma oferta e comprei a biblioteca que é direcionada a assuntos brasileiros, que é a nossa especialização. Não vou deixar de trabalhar com Filosofia, Religião, dicionários, História geral, mas a nossa especialização é a parte de assuntos brasileiros. Como era uma biblioteca na qual 90% era relacionada a assuntos brasileiros, eu não poderia perder a oportunidade de comprá-la.

Quantos livros?
Essa era pequena. Eu comprei uma parte da biblioteca e estou negociando outra parte: 1.500 volumes. Mas é uma biblioteca, boa com muita coisa esgotada. Esgota muitos autores, muitos assuntos.

Quais as principais bibliotecas que você está negociando agora?
Estou vendendo três grandes bibliotecas. A primeira é a do meu pai, Líbano Calil. Dizem que é a terceira melhor biblioteca particular do Brasil. Ela está sendo negociada e já está em fase final. São 15 mil volumes. Há manuscritos, documentos, livros com única tiragem. Um acervo excepcional. Ela não vai ser desmembrada, vai para um acervo cultural daqui de São Paulo. A segunda é a do Luís Arrôbas Martins. Foi um grande historiador, foi secretário da Fazenda do Abreu Sodré e do Paulo Egídio Marins. Tem aproximadamente 14 mil volumes. É mais específica em assuntos brasileiros e primeiras edições. Essa também estou vendendo completa. E do Edgar Carone, com aproximadamente 20 mil volumes. A biblioteca dele esgota o tema “operários” no mundo todo, já que ele foi um grande pesquisador nessa área.

Como se avalia uma biblioteca?
Manualmente. Eu avalio uma biblioteca com o livro em mãos. Não consigo fazer isso com uma listagem. Como vou avaliar os livros? Quando eu avalio uma biblioteca particular, eu cobro. Se eu vendo a biblioteca, também cobro um percentual. A Livraria organiza, avalia e vende. Quando a família avalia, não tem como a Livraria entrar com outro orçamento.

Você freqüenta outras livrarias?
Eu vou. Tenho um bom relacionamento com os meus colegas, sou muito bem recebida, compro livros – a mania está na gente! Não posso comprar mais livros, mas sempre saio com um debaixo do braço.

Quais são os seus interesses como leitora?
Eu gosto bastante da parte de livros no Brasil. Pretendo um dia publicar um trabalho sobre livros usados no Brasil. Quem sabe não sai um trabalho bacana? Eu gosto de tudo um pouco: romance, artes, poesia... de tudo um pouco.

E o que você nunca compraria?
Romances de autores estrangeiros. Só se fosse uma primeira edição de algum autor consagrado. Traduzidos, não.

Com mais de 50 anos de mercado, vocês nunca pensaram em abrir uma filial?
O complicado é a mão de obra. Se eu monto uma filial, tenho que ter uma equipe para trabalhar. A Livraria funciona praticamente só com o meu atendimento. Para abrir uma filial e não atender o público como deveria, prefiro não abrir. Material eu tenho de sobra. Se a Internet não exigisse tanto de mim, eu até poderia ficar para lá e para cá. Sou eu quem responde tudo. Já coloquei uma pessoa para responder e o resultado não foi bom. Estou pensando em abrir uma filial no Itaim ou em Pinheiros. Fora de São Paulo, acho que é impossível.

SERVIÇO:
Livraria Calil Antiquária
Endereço: Rua Barão de Itapetininga, 88 - 9ºandar - cj.917 - Centro - São Paulo - SP
Telefone/Fax.: (11) 3255-0716
Site: www.livrariacalil.com.br - E-mail: calil@livrariacalil.com.br