Da oclusão mental 

O pior de tudo são os critérios que não valem mais. A relação entre o infinito e o imortal. A nobre condição de inolvidável. As compensações bancárias por não têrmos sentimentos de indulgência. O prazo determinado para o pensamento definitivo. A certeza de que, desaparecidas as condições atuais, só nos resta o futuro.

Da massa só presta o indivíduo. É necessário escolhê-lo para a síntese a que você não conseguirá escapar quando lhe der um ataque de Juízo Final. A pressão policial me arrebentou os tímpanos. Subi à altitude máxima e tive aí a sensação de glória. Corri de tédio ante a solidão ao meu redor, mas ninguém reparou. Do frio que senti nada disse. Pois o pior é receber a extrema-unção sabendo que se vai viver mais trinta anos.

Conte os livros de sua estante: que ignorância! Um corpo de mulher; multiplicai-o e chamai os bombeiros. Êsses pequenos mestres ígneos saberão do que se trata assim que virem as labaredas. A luxúria é um pensamento barato. Agora, lira, já sabes, a voz enrouquecida, o ponto abandonado, a juventude transviada. Olhemos juntos à janela e a cena se repete, ontem e hoje: uma paisagem! Em Nagazawa, porém, foram olhar e tinha desaparecido. É por isso que dou graças a Deus; um movimento tão inútil quanto qualquer outro.

Aqui-del rei, como diziam os franceses do século treze. Posteriormente os anos passaram e as águas correram, deixando quietos os moinhos. Os trevos jamais têm quatro fôlhas. As parcas não predizem mais. Os santos andam pela hora da morte. Millôr, digo eu, cuida bem de teus passos! Sol, nem umbra nem penumbra. E quando tecerão as aranhas com fios coloridos? Pretendia Batista invadir minha casa, mas eu disse: "Entra, Perón, Somoza está ali, sob aquela lápide". É preciso contar com precisão as ovelhas da insônia. O sol, contudo, sol com é, brilha. Aliás, honra lhe seja feita; isso nêle é autêntico, sobretudo nos trópicos. Indo à praia, molho-me. Molhando-me, reflito. Por fora e por dentro. E que tudo vá de vento em pôpa, sobretudo a pôpa. Há uma luta e não é minha. Há um fracasso: a quem pertence? Perdidos todos os endereços só nos resta a volta. É pegar ou largar: quatrocentas saudades pelo preço de uma. O caso do criminoso é típico, pois matou. O caso da morta é raro, pois respira um pouco. Não posso admitir nenhuma ausência aqui: quem estiver ausente saia imediatamente. Trouxe-te êste raio de sol, tépido, hibernal: outro qualquer traria o raio que o parta. Adoece e convalesce - é melhor que morrer. A constância da saúde é que nos deixa tão pálidos. Muito cuidado para não tornar a ser feliz. Procuremos juntos na Enciclopédia Britânica: havemos de achar; não só três milhões, quatrocentos e oitenta e cinco mil verbêtes. Isso que estourou foi um sapo ou uma bomba atômica? Perdi completamente a noção de nuances. É pôr o sapato, antes a meia; isso trará logo a responsabilidade das calças e quando menos esperarmos, estaremos elegantes. A quem e onde perguntas? E o que e como? Você vai ver que uma árvore secular leva cem anos para atingir essa idade: então deixarás de ser teimoso. Matou meu pai, mas era um craque! Não entro nesse jôgo que não tenho família para apostar, como vocês. De que vale ter tanto se ninguém nos inveja? Um gêlo e você já pode se encorcar com certa dignidade. E viva Portugal, o país mais português do mundo!

 

Copyright © Millôr Fernandes - Visite o site do Millôr

O Cruzeiro on line é um trabalho de preservação histórica do site Memória Viva