A volta de Procópio Ferreira

Accioly Netto

A melhor notícia da temporada teatral de 1964 nos foi dada pelo produtor Oscar Ornstein: Procópio Ferreira vai voltar. E mais ainda, o grande ator, das mais legítimas glórias de nosso teatro, se apresentará numa facêta de seu talento desconhecido pela atual geração, o artista-cantor da comédia musicada.

O VETERANO DE MUITAS ARTES - João Álvaro de Jesus Quental Ferreira, carioca da Rua dos Inválidos recebeu seu nome de guerra aos 17 anos, depois de passar pela Escola Dramática, das mãos do veterano Olímpio Nogueira, em honra a São Procópio, comemorado em 8 de julho, seu aniversário, com a explicação profética: Procópio é nome de ator cômico. Como Procópio Ferreira, realizou a primeira grande criação, o Zé Fogueteiro da opereta A Juriti, de Viriato Correa. E ganhou uma crônica consagratória de Coelho Netto, em A noite, que o considerou - o melhor do elenco. Daí por diante, uma longa carreira artística conheceu sucessos sem conta, em todos os gêneros, fazendo rir e chorar, nas 450 peças que já apresentou (sendo 180 brasileiras), revelando 24 autores e 50 artistas nacionais. Foi aplaudido por muitos milhões de espectadores, no teatro e no cinema.

ATOR, AUTOR, EMPRESÁRIO, CONFERENCISTA - Procópio Ferreira é autor de várias comédas (Briga em Família, Convidado de Honra), numerosos livros de biografia (O Ator Vásquez e A Arte de Fazer Graça), uma série de conferências (O Teatro Brasileiro desde a Origem até Leopoldo Fróis, Joracy Camargo e sua Obra, Antônio José, o Judeu), e fundou um sem-número de companhias que percorreram o Brasil, de ponta a ponta. Fêz todos os gêneros teatrais, desde o drama e a tragédia (Antígona, Fedra, Amor de Perdição com Ítala Ferreira) à opereta e revista (A Juriti, Costa Suzana, Capital Federal). Na comédia e no drama (Manhãs de Sol, O Avarento, O Divórcio, Deus lhe Pague) foi sempre respeitado e aplaudido pelos que sabem respeitar o talento, seja em que forma se apresente.

O ATOR QUE NÃO SE APOSENTA - Homem de grandes gestos humanos, é um profundo conhecedor de sua profissão e daqueles que nela vivem - do ator ao autor, da crítica ao público. Um certo desencontro com as novas gerações e a incompreensão daqueles que fazem teatro nos últimos anos deixaram que o grande intérprete se afastasse deliberadamente, aos poucos, das capitais, limitando-se a apresentações nas cidades do interior, na televisão e em eventuais filmagens. Agora, porém, depois de intensa campanha, foi convencido pela pertinácia dêsse arguto construtor de sucessos que é Oscar Ornstein. Procópio Ferreira vai estrelar a famosa cómedia musical norte-americana Como Ganhar Dinheiro Sem Fazer Fôrca, que Carlos Lacerda traduziu, e que tem estréia marcada para novembro, no Teatro Carlos Gomes. Interpretará o papel que fêz ressurgir na Broadway o nome de Rudy Valee.

VAMOS BATER PALMAS A PROCÓPIO - Finaliza, portanto, da melhor forma, o ano teatral de 1964, com essa iniciativa por todos os modos feliz - uma peça das melhores do teatro musicado de todos os tempos (Como Ganhar Dinheiro Sem Fazer Fôrça está em Nova York, Paris, Londres, Melbourne) que terá montagem excepcional, num elenco de primeira grandeza, e sobretudo pela presença de Procópio Ferreira, que as velhas gerações voltarão a aplaudir e os novos de hoje aprenderão a admirar como o maior ator vivo do Teatro Brasileiro.

O Cruzeiro on line é um trabalho de preservação histórica do site Memória Viva