A 300 milhas de Pernambuco, ao nordeste do Estado do Rio Grande do Norte, ergue-se majestosamente do seio das aguas o archipelago de Fernando Noronha.

Nesse fragmento insular do Brasil ha os encantos próprios das ilhas e os seus imprevistos sublimes. Qual sentinella vigilante e avançada dos dominios de Neptuno, o Pico levanta-se como um gigante e se mostra ao navegante que o procura ansioso, a 25 milhas de distancia.

Ha muito a ilha é presidio para os condemnados e presos correccionaes do Estado de Pernambuco e constitue um fantasma infernal para esses proscriptos da sociedade. Entretanto, a grande ilha solitaria, tão conhecida de quem navega naquellas paragens, é de aspecto beilissimo e suas condições climatericas são excellentes. Pode considerar-se um sanatório maritimo. Ali o presidiario vive a sua pena alheio quase que absolutamente ás coisas do continente, ou do mundo, a não ser as escassas noticias que de lá lhe chegam trimestralmente para maior dor de sua insopitavel saudade. Só o trabalhoso faz esquecer por momentos as agruras do grande infortunio e lhe suavisa o martirio da expiação.

É com justa razão que elle diz: – Viver nesta ilha é viver fora do mundo, ignorante dos conhecimentos e das distracções, indifferente a tudo e a todos. Na sua ignorancia e insensibilidade perdoavel elle desconhece quanto é formoso aquelle pedaço insular de terra brasileira e não aprecia os encantos que a Natureza nella agglomerou, e de que não se pode ter uma idea sem a conhecer em seus recortes caprichosos, seus accidentes, sua orla de espumas e seus coqueiraes magnificentes.

O constrangimento é o amigo inseparavel do presidiario, cuja vida se inclina para a concentração absorvente, pela grande humilhação do seu crime. O presidio não é, porém, um supplicio comparavel ao do carcere. O governo proporciona ao presidiario uma vida saudavel de trabalho e de conforto, e é representado na pessoa de um homem probo cujos carinho e benevolencia revelam nelle mais um regenerador do que um director de presidio.

A ilha offerece aspectos surpreendentes, passeios magnificos em estradas excellentemente construidas, paisagens imprevistas, recantos mais para poetas e apaixonados do que para detentos, e não obstante a sua triste condição de carcere de condemnados, ella deixa no coração de quem a conheceu as inapagaveis recordações de um paraiso. O visitante sente o seu espirito confortado no socego daquelles sitios longinquos do continente, arredios do bulicio ensurdecedor das cidades, envoltos na immensidade azul e verde do céu e do oceano, apartado da luta inclemente das competições humanas.

A formosa Paquetá, princesa da Guanabara, sentir-se-ia apaixonada e ciumenta, se conhecesse a sua longinqua e solitária irmã do Nordeste e a pudesse avistar com seus coqueiraes e suas caprichosas collinas, aflorando das aguas prateadas em uma noite de luar. Se Paquetá é a Miss das ilhas do Sul, Fernando Noronha é a flor das ilhas do Norte.

LEÃO GONDIM

 

O Cruzeiro on line é um trabalho de preservação histórica do site Memória Viva