Retorna para a página principal de MEMÓRIA VIVA

Raul Seixas

     Raul Santos Seixas nasceu em Salvador, Bahia, no dia 28 de junho de 1945. Era o primeiro de dois filhos do casal Raul Varella Seixas, engenheiro, e Maria Eugênio Santos Seixas, dona de casa. O baiano foi batizado e estudou em colégios católicos, incluindo o Marista. Repetiu várias vezes algumas séries do primeiro grau. Um dos motivos, no final dos anos 50, era porque matava aulas para ficar ouvindo RockíníRoll na loja Cantinho da Música. Em julho de 59, funda o Elvis Rock Club.

     Em 1962, monta o Relâmpagos do Rock, seu primeiro grupo musical. No ano seguinte, o nome do grupo muda para The Panters e Raul consegue passar para a quarta série ginasial. Em 64, se tornariam o grupo mais caro de Salvador. Ficam conhecidos na Bahia, fazendo shows em várias cidades. Raul desiste dos estudos e se profissionaliza. Dois anos depois conhece a americana Edith Wisner, filha de um partor. Atendo um pedido dos pais e da própria Edith, Raul promete deixar a vida de artista e retormar os estudos. Presta vestibular para Direito e passa entre os primeiros colocados. Em 67, casa-se com Edith. Dá aulas de violão e inglês e tenta estudar Psicologia. Jerry Adriani o convida para acompanhá-lo em sua turnê pelo Norte do país. Raul reúne Os Panteras e acabam todos indo para o Rio de Janeiro. Em 1968 é lançado o primeiro LP, Raulzito e Os Panteras.

     O segundo LP, Sociedade do Grã-Ordem Kavernista Apresenta Sessão das Dez, é produzido e lançado,em 1971, sem autorização. O disco some misteriosamente do mercado e Raul é expulso da CBS. Em 73, conhece Paulo Coelho, com quem viria a fazer uma das maiores parcerias do rock brasileiro. A dupla é responsável por sucessos como Gita, Sociedade Alternativa, Como vovó já dizia, dentre outros. Com Gita, em 74, ganha o disco de ouro e lança o primeiro musical colorido da TV Globo. Separa-se de Edith e, no ano seguinte, casa-se com oura americana, Glória Vaquer, com que ficaria até 1977. Teve uma filha com cada uma. Após as separações, ambas levaram as filhas para os Estados Unidos.

     Os sucessos se sucedem com os LPs Novo Aeon e Há dez mil anos atrás, ambos em 1975, quando também termina a parceria com Paulo Coelho. Depois vieram O dia em que a Terra parou (1977), Mata virgem (1978), Por quem os sinos dobram (1979) e Abre-te Sésamo (1979), este último com a censurada Rock das Aranhas. Em 79, conhece Angela Maria Affonso Costa, que seria a mãe de sua terceira filha (1981).

     Raul protagonizou histórias antológicas durante toda sua carreira. Uma delas é quase inacreditável. Em maio de 1982, foi tido como impostor de si mesmo num show em Caieiras, São Paulo. Não tinha nenhum documento e quase foi linchado. Preso, foi espancado pelo delegado e por policiais. Em 1983, lança um LP com seu nome e o livro As aventuras de Raul Seixas na cidade de Thor. Ganha seu segundo disco de ouro e novos sucessos aparecem. Em 84, participa do especial Plunct Plact Zum, na Rede Globo, e lança o LP Metrô Linha 743. Mais alguns lançamentos e uma certa dificuldade de manter a produção estável por problemas de saúde se sucedem até 1987, quando grava o LP Uah-Bap-Lu-Bap-Lah-Béin-Bum! e ganha seu terceiro disco de ouro. É nesse ano que começa um parceria com o também baiano Marcelo Nova, vocalista da banda Camisa de Vênus, ao participar da música Muita Estrela, Pouca Constelação. A parceria teria seu auge em 89, quando os dois gravam o LP A Panela do Diabo e fazem uma série de mais de 50 shows pelo país. O LP é lançado no dia 19 de agosto. Raul morreu dois dias depois, sozinho, em São Paulo.