Volta para a página de livros DE e SOBRE Cascudo

    Acta Diurna 6  
    Natal-RN, 17 de julho de 1947  

Onde Auta de Sousa morreu

     Auta de Sousa morreu na madrugada de 7 de fevereiro de 1901, uma hora e quinze minutos.

     A casa, simples, com um alpendre lateral, era o número 15 na rua Visconde do Rio Branco, outrora Rua Nova, e hoje Avenida Rio Branco.

     O nº 15 era o nº 445 atual. Mas a residência foi achada grande demais e dividiram-na em duas. Ficaram duas casas, os números 441 e 445.

     A sala onde Auta de Sousa faleceu está o número 441, segundo informação de Eloy de Sousa, irmão da poetisa.

     Debalde procurar-se-á um sinal de homenagem naquela fachada simples. Quarenta e seis anos não bastaram para motivar um ato de consagração pública de nossa admiração à maior poetisa mística do Brasil, a uma das primeiras líricas, ímpar em toda bibliografia do século XIX.

     Todos os planos sobre Auta de Sousa foram desaparecendo, um a um, “qual piuma al vento” como se canta no Rigoletto.

     Horto, em terceira edição, nunca mereceu uma distribuição técnica na relação do mérito real da poetisa. Não chegou ao conhecimento de todo o Brasil. Ninguém lê Auta de Sousa sem emocionar-se e declará-la maior do que poderia exigir nossa vaidade bairrista.

     Pela casa onde ela morreu, passam, despreocupados na ignorância do local, todos os transeuntes. É uma residência como as outras, abrigando uma família brasileira.

     Ninguém previrá que ali se apagou o lindo espírito de Auta, silenciada pela morte a voz serena, cheia de evocação e saudade. Uma placa de bronze, mesmo pequenina em sua significação, diria muito aos olhos que passam.

     Uma frase reduzida e própria: — Nesta casa faleceu a poetisa Auta de Sousa em 7/2/1901, seria suficiente para a lembrança e determinar um pensamento votivo, como uma folha verde de árvore na lápide do sepulcro. Por que a Academia de Letras não inicia este movimento tão natural, modesto e indispensável?

     Palmira Wanderley de França, deixo em sua mão o ramo na novena de devoção a uma santa do nosso oratório potiguar...

 

Acta Anterior | Actas Diurnas | Próxima Acta

 

Página principal do site Memória Viva